Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Quase balada - três poemas de Marcos Samuel Costa

  Quase balada    Vozes que gritam distante  qualquer coisa sobre muito amar  fecham os olhos em lágrimas fecham os olhos em fogo o maior desejo carnívoro é a boca do homem amado. Onça amarela   Vasos de plantas secas antigas flores imóveis veículos sem rodas  estação chuvosa barro da rua nos pés   onça de argila amarela ruge na madrugada Carrinho de plástico   Quebrado entre pesadas máquinas: pés humanos ondas violentas cachorros enlouquecidos que correm na praia sem seus donos. o carrinho de plástico de Lucas se desfaz sabemos perder essa luta mas Lucas não ele não sabe medir consequências pros e contras as mãos pretas de seu pai tocam os canais fluidos na passagem das águas e seu cabeço bagunçado   só o pai de Lucas poderia lhe levar a paz depois de sua perda   para onde seu pai foi?

Últimas postagens

Tudo é mentira - poema de Marcos Samuel Costa

Aleluia - poema de Marcos Samuel Costa

Conto de Marcos Samuel Costa

Teu signo, Fernando - conto de Marcos Samuel Costa

O profundo - conto de marcos samuel costa

Três poemas de Marcos Samuel Costa

Quando os cavalos chegaram - conto de Marcos Samuel Costa

Dois e não um - conto de Marcos Samuel

Há uma dança

A frutífera juventude - Conto